A2 opção A2a: Proposta de Projeto Agroflorestal

Proposta concisa de Projeto de Ensino ou de Pesquisa Agroflorestal:

Abordagem

Tem várias opções que podem ser escolhidos para a elaboração da tarefa “Proposta de Projeto”. Qualquer uma das opções representa projetos que realmente serão (ou já foram) implantados. Qualquer uma das opções requer que seja elaborada uma proposta muito concisa de projeto que efetivamente contribuirá para o desenvolvimento de sistemas agroflorestais multifuncionais que sejam ecologicamente sustentáveis e economicamente viáveis.

Dividiremos a turma em 3 grupos com um número de integrantes mais ou menos parecido, para que cada opção de projeto seja elaborado por um grupo de . Ou seja, solicito que cada um(a) de vocês me informe quais das seguintes opções prefere como primeiro e segundo lugar de preferência. Quem se manifesta primeiro tem prioridade para trabalhar no tema preferido. Se houver um desequilíbrio forte, terei que ajustar um pouco os tamanhos dos grupos de acordo com as suas preferências indicadas.

[...]

As opções (a), (b) e (c) envolvem a necessidade de basear o projeto no que já foi implantado no respectivo SAF, mas fiquem a vontade de acrescentar outros aspectos ou componentes ainda não implantados ou nem contemplados, sempre que fique coerente com o resto da sua proposta de projeto. Ou seja, espera-se que relatam o que foi implantado de forma que uma pessoa fora da UFSC possa reproduzir o mesmo experimento de SAF, apenas lendo o seu projeto, mas que a justificativa e as implicações dessa metodologia sejam comunicadas claramente no conjunto da proposta do projeto. 

Qualquer uma das opções pode tratar de questões técnicas que são atualmente limitantes para a viabilidade econômica ou sustentabilidade ecológica de um contexto produtivo, ou alternativamente pode tratar de questões sociais, econômicas, políticas, culturais, psicológicas ou de saúde humana que são atualmente limitantes para uma expansão substancial de SAFs que conseguem satisfazer as demandas alimentícias e econômicas e ao mesmo tempo efetivamente conservar os recursos naturais.

Seria insuficiente apenas apresentar um projeto que propõe pesquisar um detalhe que nos interessa pessoalmente, ou que propõe ensinar o que já temos preparado de atividades passadas de extensão. É fundamental que a proposta mostre clara e sucintamente porque tal problemática é atualmente limitante na multiplicação de SAFs que conseguem conciliar múltiplas demandas econômicas e ecológicas. É indispensável que título, públicos alvos, contexto da problemática, abordagem e metodologia, e impactos esperados fiquem diretamente coerentes. É importante que os públicos alvos sejam especificados para cada uma das categorias de (a) tomador(es) de decisão sobre recursos alocados para projetos E (b) beneficiários intencionais diretos do projeto.

Concisão e Acessibilidade

  • Total máx. 2000 palavras (excluindo referências/notas de rodapé).
  • Não precisa ser tudo texto fluido – alguns conteúdos selecionados podem ser apresentadas como pontos chaves – quando apropriado (ou seja, quando facilita a comunicação clara com os leitores).
  • Pode (mas não precisa) incluir cronograma e/ou orçamento.
  • O texto deve ser entendível para ambos públicos alvo, ou seja, definir palavras ou conceitos ambíguos importantes que não sejam de óbvio significado para ambos públicos alvo, e evitar o uso desnecessário de jargão técnico especializado.

Estrutura

O relatório deverá ter uma estruturação lógica, que facilite a orientação do leitor dentro do texto e o entendimento do projeto. Ou seja, o objetivo não é de contar uma história anedótica ou cronológica das suas experiências e observações dos dias em campo! É indispensável que título, introdução, objetivo específico (ou hipóteses), metodologia, e resultados esperados fiquem diretamente coerentes.

  1. Título: Deve gerar interesse, capturar a contribuição central do projeto e ser conciso e fácil de entender.
  2. Públicos alvo:
    (a) tomador(es) de decisão sobre recursos alocados para projetos E
    (b) beneficiários intencionais diretos do projeto.
  3. Introdução: Tem a função de convencer ambos tipos de públicos alvo (a + b) de que o projeto é muito importante de ser realizado, justificando a sua abordagem e relevância para a conciliação de múltiplas demandas econômicas e ecológicas (não tem a função de exaustivamente revisar a literatura relacionada ao tema). Lendo essa seção, ambos tipos de públicos alvo devem sentir uma curiosidade tremenda para saber como será abordado o projeto!
  4. Objetivo: Articulação concisa da meta concreta do projeto que deve ser realisticamente alcançável. Precisa ser articulada de forma de que os resultados/impactos esperados surjam diretamente do objetivo. É fundamental que a os resultados esperados ainda não sejam alcançados no contexto apresentado. No caso da proposta de pesquisa, é importante que seja(m) articulada(s) hipótese(s) clara(s) e testávei(s) – a(s) hipótese(s) pode(m) substituir os Objetivos, se o objetivo é unicamente testar as hipóteses.
  5. Abordagem/metodologia: Resumo muito conciso que deve permitir uma avaliação crítica pelo leitor da viabilidade e probabilidade de sucesso do projeto. Lendo essa seção, ambos tipos de públicos alvo e também outros possíveis profissionais devem poder executar o projeto de forma igual e obter os mesmos resultados!
  6. Orçamento e Cronograma: estimativa dos gastos e dos prazos para realização das atividades relatadas na metodologia que são necessários para cumprir os objetivos.
  7. Resultados/impactos esperados: Efeitos realísticos que devem contribuir diretamente para a resolução e/ou diminuição da problemática exposta na introdução. Devem surgir diretamente do objetivo específico do projeto.
  8. Referências bibliográficas e/ou outras fontes: Só incluir referências citadas na proposta de projeto. Se preferem, as citas no texto podem ser feitas por qualquer um dos sistemas de chamada (Numérico ou Autor data), desde que usado consistentemente no trabalho inteiro (p.ex. [1] ou Teixeira et al. 2011). Na lista de referências podem usar qualquer estilo e formato de apresentação, desde que seja usado um mesmo estilo para todas as fontes e desde que tenha suficiente informação para que o leitor possa facil e inequivocadamente encontrar as fontes citadas (p.ex. Tscharntke T. et al. (2011) Multifunctional shade-tree management in tropical agroforestry landscapes: a review. Journal of Applied Ecology, 48, 619-629). Orientações detalhadas: http://www.bu.ufsc.br/design/Citacao.html#3

Avaliação

Entrega por email em formato DOC ou ODT (PDF ou outros formatos de imagem não aceitos!) com cópia a todos os coautores. Nome do arquivo precisa conter os nomes abreviados de todos os autores.

Pesos dos Critérios de Avaliação dentro do Projeto Agroflorestal:

#1

20%

Pertinência do objetivo e resultados/impactos esperados para a conciliação de múltiplas demandas econômicas e ecológicas.

#2

20%

Consistência entre título, justificativa (na introdução), objetivo(s)/hipótese(s), abordagem, metodologia, resultados/impactos esperados.

#3

20%

Focalização da introdução e abordagem/metodologia para possibilitar uma avaliação informada e crítica do projeto (se tiver blabla ou conteúdo vago ou pouco realístico, perde pontos aqui).

#4

20%

Estilo racional, claro e imparcial de apresentação (que facilita a formação de opinião independente e informada pelo leitor).

#5

20%

Forma de apresentação cumprindo com os critérios básicos (de volume, clareza, estrutura lógica).

Desqualificação de itens de avaliação (nota zero): Casos de plágio (falta de citação direta ou indireta de dados, texto ou ideias não-óbvias de outros autores, inclusive de trabalhos de outros estudantes, ou de outra fonte não citada) resultarão em nota zero sem arguição! Orientações detalhadas de como utilizar fontes que não sejam da sua própria autoria ou criação: http://www.bu.ufsc.br/design/Citacao.html